Últimas Notícias

Baturité

Caio Prado

16 de fevereiro de 2012

Lindemberg foi condenado e sua advogada pede anulação de júri do caso Eloá

   A advogada Ana Lúcia Assad pediu na noite desta quinta-feira a nulidade absoluta do julgamento de seu cliente, Lindemberg Alves Fernandes, condenado a 98 anos e 10 meses de prisão pela morte da ex-namorada, Eloá Pimentel, em 2008. O pedido foi feito logo após o anúncia da sentença. Ao fim do quarto e último dia do júri, ela deixou o Fórum de Santo André sem falar com a imprensa.        
   A advogada ainda pode responder por injúria e difamação, uma vez que disse à juíza Milena Dias que ela deveria "voltar a estudar". 
   O tom debochado da defensora foi lembrado pela magistrada na leitura da sentença e ela pediu que o caso seja enviado ao Ministério Público para apuração.
   No debate, Ana Lúcia pediu que os jurados condenassem o réu, que admitiu ter atirado contra Eloá, por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. "Peço que os senhores condenem o Lindemberg pelo homicídio culposo, pois ele não desejou o resultado. Ele sofre pela morte dela", disse a defensora. O júri, porém, considerou que ele premeditou o crime.
   A defensora iniciou sua fala pedindo para que os sete jurados vissem Lindemberg como um parente, já que "ele não é um bandido". "Não vou pedir a absolvição dele. Ele errou, tomou as decisões erradas e deve pagar por isso."
   A acusação, porém, considerou que a sentença foi bem fundamentada. A promotora Daniela Hashimoto disse que não havia motivo para a anulação do júri. "No meu entendimento, a juíza fundamentou com toda a sabedoria a sentença."
   O mais longo cárcere de SP
   A estudante Eloá Pimentel, 15 anos, morreu em 18 de outubro de 2008, um dia após ser baleada na cabeça e na virilha dentro de seu apartamento, em Santo André, na Grande São Paulo. Os tiros foram disparados quando policiais invadiam o imóvel para tentar libertar a jovem, que passou 101 horas refém do ex-namorado Lindemberg Alves Fernandes. Foi o mais longo caso de cárcere privado no Estado de São Paulo.
   Armado e inconformado com o fim do relacionamento, Lindemberg invadiu o local no dia 13 de outubro, rendendo Eloá e três colegas - Nayara Rodrigues da Silva, Victor Lopes de Campos e Iago Vieira de Oliveira. Os dois adolescentes logo foram libertados pelo acusado. Nayara, por sua vez, chegou a deixar o cativeiro no dia 14, mas retornou ao imóvel dois dias depois para tentar negociar com Lindemberg. Entretanto, ao se aproximar do ex-namorado de sua amiga, Nayara foi rendida e voltou a ser feita refém.
   Mesmo com o aparente cansaço de Lindemberg, indicando uma possível rendição, no final da tarde no dia 17 a polícia invadiu o apartamento, supostamente após ouvir um disparo no interior do imóvel. Antes de ser dominado, segundo a polícia, Lindemberg teve tempo de atirar contra as reféns, matando Eloá e ferindo Nayara no rosto. 
   A Justiça decidiu levá-lo a júri popular.
Anônimo disse...

vc que está lendo esta matéria nunca pensou de está no lugar deste homem não? rapaz qualquer um de nóis pode pasar por isso, isso é uma questao de momento de fraquesa, o cara não era nem um bandido não, agora sim ele vai se tornar um bandido de verdade, o pais todo crusificando o coitado.

 
Copyright © 2013 Itapiúna Informa - Você Sempre Bem Informado!
Site Desenvolvido Por Foto e Art Oliveira